Aprendendo a pensar como gestor de cuidados

Já desejou simplesmente pegar o telefone e ligar para alguém que demonstrasse interesse em sua situação como cuidador, que o ajudasse a ter acesso a serviços e que coordenasse os cuidados a seu ente querido? Há profissionais nos EUA, denominadas gestores de cuidados, que prestam esse tipo de serviço. Observe que no Reino Unido são denominados “trabalhadores com uma função-chave” pelo Serviço de Saúde Nacional. Qual a denominação dada aos gestores de cuidados onde você mora?

 

Os gestores de cuidados são geralmente profissionais de enfermagem ou assistentes sociais que coordenam o fornecimento de cuidados, em vez de serem os responsáveis diretos por ele, e buscam as respostas necessárias através de contatos. Seus serviços incluem:
 

  • obter e coordenar as informações fornecidas pelos prestadores de serviços de saúde;

  • avaliar o paciente e o ambiente domiciliar;

  • buscar serviços e recursos públicos e privados disponíveis;

  • estabelecer uma comunicação entre as partes para manter as informações atualizadas, assim como a efetividade e a adequação dos serviços.

 

Você talvez não seja um profissional de enfermagem ou um assistente social, mas pode aprender a pensar como um gestor de cuidados. Dessa forma, pode facilitar um pouco mais as coisas para si e seu ente querido. Como pensar como um gestor de cuidados? Para começar, faça uma lista sobre as circunstâncias de sua vida como cuidador, incluindo:
 

  • A capacidade do ente querido de atuar independentemente física e cognitivamente.

  • A situação de saúde do paciente e a complexidade do caso.

  • Há equipamentos médicos disponível na casa?

  • Os cuidadores familiares foram treinados para utilizar e realizar a manutenção desses equipamentos?

  • O custo da adaptação é razoável? O ambiente físico é acessível? Atende à necessidade de fornecimento constante de eletricidade aos equipamentos médicos?

  • Outras responsabilidades no trabalho, em casa e na comunidade.

  • Sua própria condição física e de saúde.

  • Indicação dos recursos financeiros e dos documentos legais que permitem que tome decisões financeiras e relacionadas à saúde do paciente.

  • A disponibilidade dos familiares e/ou dos amigos para formar uma rede de apoio voltada ao fornecimento de cuidados.

 

O gestor de cuidados deve revisar essa lista para identificar os problemas mais imediatos a serem sanados. Quando pensa como gestor de cuidados, pode também examinar as próprias responsabilidades e administrá-las. Assim, descobrirá quais são as áreas em que precisa de auxílio ao procurar os recursos de que necessita. Um pedido específico como, por exemplo, “Eu preciso de ajuda com X”, obterá mais resultados do que um clamor aterrorizado de “Socorro!”. Os cuidadores familiares fornecem cuidados diretos e a grande maioria tem dificuldade em buscar ajuda. O gerenciamento da tarefa de cuidador às vezes exige que saia da zona de conforto. No entanto, se conseguir pensar como um gestor de cuidados e formular um plano de gerenciamento, você e o indivíduo que recebe os cuidados vivenciarão uma situação muito melhor.